ARQUIPÉLAGO

(ILHAS QUE HÁ EM NOS)

 

2019

Era uma vez uma ilha que, agrupada a outras ilhas, formaram um Arquipélago. Nesse Arquipélago proliferou, para além das montanhas e vales, maresias, nevoeiros e levadias, a poesia, que fertilizou o ar e criou mais poesia. O poeta, que era ilha e Arquipélago, tal como uma criança – não inocente - voou. Somos todos ilhas, ou crianças, ou poetas, ou não fossemos metáforas já gastas pelo uso e pelo tempo, ou ainda que estarão para vir. E todos tomaremos parte neste jogo de criação ou de julgamento, qual Areópago dos tempos modernos, onde, pela ironia das palavras, seremos manchados por essa mesma poesia criadora. Talvez estas palavras não façam sentido nenhum, ou quem sabe estarão impregnadas da mais profunda sabedoria. Alheia a estas polémicas, a poesia continua, sempre, tal como a ilha, tal como nós, até ao dia em que não mais seremos. Haja poesia, sempre, neste ARQUIPÉLAGO e nestas ilhas que há em nós.

Um espectáculo de leitura em voz alta a partir das colectâneas "Arquipélago" e "Areópago", de autores madeirenses.

Leitores: Henriqueta Teixeira Lícia Agrela Rui Barata Sandro Nóbrega

Canto/Voz: Maria José Leal

Apoio Técnico: António Garcês

  • Facebook ícone social
  • 1024px-Instagram_logo_2016.svg
19983442_285887095214048_660002866094615